Slider 5
1 2 3 4

Chapéus

Já pensou em montar algum look usando chapéu?
Pois é quando o assunto é chapéu os brasileiros meio que deixam a desejar, é raro a gente ver alguém na rua usando.
O que muita gente não sabe é que o chapéu é um belo aliado pra deixar o look super irreverente e também acaba sendo uma proteção nos dias quentes.
Existem infinidades de modelos.
Floppy
Os chapéus no estilo “Floppy” são os queridinhos deste verão! Têm a aba bem larga e maleável. É extremamente feminino. Tem um ar descontraído, mas ao mesmo tempo elegante e combina bastante com saias e vestidos esvoaçantes, assim como comprimentos longos. Vão muito bem com óculos de sol grandões. Os com listras são a cara do Verão 2012.
Panamá
Os tradicionais chapéus Panamá são feitos de palha e têm uma fita em volta da copa. A aba é média e reta. O modelo agrega um toque masculino ao look, por isso, fica muito legal com oxfords, calça ou shorts boyfriend ou peças de alfaiataria (não sendo restrito somente a este visual).
Fedora
É o modelo mais clássico e difundido de chapéu, mais conhecido nas versões em feltro, como “chapéu de mafioso”. Tem aba média e inclinada (mais baixa na frente e alta atrás), o que o difere do modelo Panama, que também possui depressão na copa. Para o verão, prefira os modelos de palha e outras fibras leves, que são mais fresquinhos e quebram um pouco do ar masculino que este modelo carrega. Se não quiser quebrar o paradigma, use com jeans skinny, camisas e coletes de alfaiataria.
Clochê
O Clochê é um chapéu super feminino, com a aba decrescente e a copa bem ajustada. Carrega uma atmosfera retrô (1920′s) muito forte, por isso, combina com looks bem meigos e delicados, como vestidinhos acinturados acompanhados por clutchs, estampas como poás, florais, entre outros. No verão, deixe os de feltro de lado e prefira os de palha.
Cowboy
Os chapéus de “Cowboy” têm uma depressão no centro da copa (que é mais alta) e abas largas, necessariamente curvadas nas laterais (característica marcante do modelo). Eles não precisam ser excluídos do verão, ainda mais quando confeccionados em materiais e estilos que combinam com a estação (e tiram um pouco daquela “cara country” do item). O interessante é criar justamente um look inesperado com eles, que fuja doclichê rodeio/festa junina.
Bowler



O modelo “Bowler” (ou Derby), conhecido em português como “Chapéu-Coco”, tem acopa alta e totalmente redonda, com as abas curvadas para cima. O modelo é bem masculino… e é aí que está a graça! Use com vestidinhos curtos e soltinhos, saias longas, shortinhos jeans… O contraste do modelo com as vestimentas dará conta de criar um look bem interessante!
Boater
Os chapéus “Boater”, populares nos 1940′s e 1950′s, são tradicionalmente masculinos, leves para o verão, feitos de palha, criados anteriormente para passeios de iate, barco à vela e remo. Têm a aba proporcional e reta, assim como o topo da copa. São perfeitos para criar looks inusitados para os dias quentes de verão, com uma boa dose declima preppy e retrô. Estão super em alta atualmente!

E ai meninas qual é o preferido de vocês?








5 comentários:

  1. Oi Isa,

    Acho lindo chapéus, mas não gosto em mim (acho super esquisito) talvez porque não tenho costume :) Bjs lindona

    http://www.tomatecomacucar.blogspot.com
    @tomatecomacucar

    ResponderExcluir
  2. É um acessório indispensável, adoroooo
    Gosto do Bowler, principalmente o pretinho.
    Desejando alguns rssss.

    ResponderExcluir
  3. Chapéu é sempre um charme né? Várias dicas e sugestões nesse post. Amo os estilo cowboy! Acho super estiloso e estou louca atrás de um desse! Bjoks, flor, adoro seu blog!

    mundodevioleta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Adorei o clochê, achei bem fofinho! *-*

    Beijocas :*
    tem sorteio lá no blog, viu?
    www.itsalittlegirl.blogspot.com/2012/02/aniversario-de-um-ano-do-blog.html

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário!
Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
29 anos
31 anos, Mãe de duas Princesas, Maquiadora, Casada, Viciada em makes e afins e adora escrever!
 
By Iâni Naíra